30 de jul de 2015

Projeto Low poo! Considerações sobre a experiência.

Atenção essa é minha experiência capilar e falo daquilo que vi e senti nos meus fios afros quimicados e compartilho com vocês.

Olá pessoal voltei, pois após algum tempinho sendo adepta do low poo, o projeto teve que chegar ao fim, embora eu tenha combinado um prazo com vocês aqui no blog(clique aqui quem não leu).
E durante esse tempinho eu entrei no projeto por completo sendo totalmente fiel, evitei usar produtos que tivessem também o silicone, mesmo ele sendo liberado para o low poo.

Bom, logo no inicio comprei praticamente tudo que eu precisava para o cronograma low poo(clique Aqui e veja). E meus cabelos ja estavam precisando de retoque mas evitei faze-lo visto que queria comprovar resultados em cabelos com quimica e sem quimica, e como eu tinha bastante raiz virgem aproveitei essa vantagem(matando dois coelhos com uma cajadada só), rsrs.


Nos cabelos virgens foi surpreendente, ajuda bastante na definição do cabelo natural e na maciez. Eu super recomendo o low/noo poo para as meninas de cabelo afro/cacheados/frizados/ondulados naturais ou até mesmo lisas naturais.
Agora na parte quimicada no inicio foi como uma desintoxicação, aliás dizem que  3 a 4 meses é o tempo que o cabelo precisa para desintoxicar dos petrolatos e parafinas da vida. E realmente foi uma benção, mas eu precisava fazer o retoque do permanente e esta seria a minha prova de fogo, pois como iria se comportar o low poo num cabelo recém quimicado? Esse era meu desafio maior, então eu fiz o retoque e a verdade nua e crua apareceu: os cabelos afinaram muito. Vejam na foto abaixo:
 cabelos finos e fragilizados
Sim, ficaram bem finos e isso não era bom, continuei com a rotina, e após duas semanas eu percebi pontas duplas e triplas nos meus fios. Fiz a reconstrução capilar e mesmo com toda queratina e até mesmo apelando para produtos profissionais, não teve jeito a sensibilidade do fio era aparente,  então finalmente cheguei na questão do silicone e a parafina. 
A polêmica pelicula que a parafina e o silicone cria nos fios, pois ao mesmo tempo que ela servia para reter a água dentro dos fios, ela também seria vilã formando uma barreira que impedisse os nutrientes de penetrarem nos fios para tratá-los.

E não tive dúvidas, de cara usei logo um leave in cheio de proibidões( parafina, petrolatos, mineral e principios ativos) e observei as pontinhas dos meus cabelos e vi que as pontas duplas e triplas amenizaram,estava ai portanto a parafina com o silicone entrando em ação formando o filme no fio de cabelo, praticamente encapando-o, mas ainda não era o suficiente, pois estavam frágeis.

Resolvi mergulhar novamente nos proibidões(petrolatos, parafinas) mas o resultado foi péssimo e meus cabelos ficaram quebradiços. Mas uma vez a U.T.I capilar me salvou e fiz utilizando os produtos que tinha comprado para o projeto low poo.

Após isso voltei a usar meus produtos low poo em conjunto com os proibidões, e observando novamente as minhas pontas, elas estavam selando,a parte que estava mais fina e fragilizada, começou a voltar ao normal, inclusive com uma leve engrossada(apelei também para a henna Surya em pó), pois não gosto de cabelo finos, pois fragilizam demais com quimica.

Na semana seguinte usei henna surya em pó, no intuito de engrossar mais e tratar os fios, e deu certo, a preparei no dia anterior com água filtrada + 3 gotinhas de óleo de ojon + 1 colher pequena de vinagre de maça. Deixei descansando a noite toda e apliquei na manha seguinte. Usei a mascara Surya Brasil para reconstruir. E o resultado final foi quebra zero e fragilidade zero. (lembrando que henna surya não é compativel com cabelos descoloridos).
Foto tirada depois de fazer henna surya em pó e reconstruir com a mascara Surya Color fixation
E  estou usando um produto muito bom para cabelos com quimica e sem quimica que hidrata os cabelos afros com dignidade de uso profissional, mas que trarei para todas brevemente.

Hoje meus cabelos estão normais e mesclo liberados com proibidões.

Mas essa experiência só me fez perceber algo que já desconfiava: Essa técnica é bem melhor para cabelos naturais e pessoas que estão em transição capilar, pois ajuda bastante a segurar a onda e trazer mais definição, evitando o embaraçamento dos fios. E considero perfeita para quem quer passar muitos meses sem fazer química ou faz uso da química bem de vez quando mesmo, aquele famoso susto na raiz ou o retoque a cada 6 meses.

Mas para quem faz certas quimicas com frequência como o permanente afro que contém amônia, é necessário a presença dos proibidões para ajudar a manter a água dentro do fio, já que o cabelo sofre uma agressão para fazer a transformação, e somente banhos de óleos(umectações) não são suficientes para manter o fio intacto. Lembrando que a química do relaxamento, permanente, etc tem parafinas.

Conclusão: Não abro mão dos produtos liberados pois eles ajudam a segurar os cabelos que fazem química a cada 6 meses sem quebra ou queda, mas também não vejo desvantagem em usar os proibidos para quem usa químicas mais fortes, principalmente uns 15 dias antes do permanente afro para não sensibilizar o fio, como aconteceu comigo. Sabendo mesclar o uso, é possivel uma convivência longa, benéfica e harmoniosa. Mas tudo na dosagem pois os produtos com excesso de parafina e petrolatos causam ressecamento e quebra ao longo prazo.


Beijos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários são moderados. Se fez uma pergunta, volte para ler sua resposta
Seu comentário é muito importante!! Então peço que deixe seu nome/url
(identifique-se)

******Atenção críticas construtivas serão aceitas, mas comentários ofensivos serão deletados. O Blog da Preta respeita o leitor, portanto respeite a autora.*******
O art. 5° da constituição federal diz:
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;
V - é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por dano material, moral ou à imagem;


Leia também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
onselectstart='return false'